Humans of New York :: Galera do metrô

O que era para ser um texto com um resuminho de cada pessoa que conheci em NY, virou um post solo do Hedilberto. É, me empolguei rs. Como os outros não têm assim taaaanto detalhe para contar, vou tentar agrupar. Por isso mesmo o post deve ficar longo, pre-para!

Após péssimas experiências no metrô de Paris – muito por vacilo meu de não saber que precisava guardar os passes para não levar uma multa de 50 euros, mas também muito por conta da extrema má vontade e antipatia dos parisienses (mesmo eu dando Bon Jour e falando em francês que só sabia falar inglês) – não esperava, nem espero mais, grande receptividade em qualquer outro lugar. O que vier é lucro e em Nova York o saldo foi bem alto.

IMG_8639

Funcionário do metrô 1

Assim que venci a máquina de compra de bilhetes e adquiri meu Metrocard, tinha que desvendar o cabuloso mapa de linhas do metrô da cidade para descobrir como ir para a estação 50th. Tava lá tentando encontrar um sentido no emaranhado colorido do mapa, eis que apareceu o faxineiro do metrô e perguntou para onde eu ia, me indicou qual sentido eu deveria ir e falou: essa não é a sua plataforma. Desce, vire à direita, depois à esquerda, sobe a escada e vire à direita. Ok, obrigada, fui. No meio do caminho, encontrei ele de novo que falou sorrindo: “agora é à direita, hein? Não vai se perder!”. Eu não pedi nada e o cara já veio me ajudar e fazer graça. Nova York 1 x Paris 0.

Brazilian fan

Voltando do Queens, estava com o mapa do metrô aberto estudando o meu trajeto quando sentou um cara do meu lado e me perguntou se eu sabia se aquele trem ia para uma estação X. Disse que, como ele poderia ver, eu era turista e tampouco sabia se havia pegado o trem certo para mim. Daí começamos a conversar e pasmem: ele falava português.

Namorou por três anos uma alagoana que foi tentar a vida em Nova York, mas como ele não assumia nada mais sério, a garota trocou ele por outro e guess what? Agora ele quer voltar e pretende visitá-la em Maceió. Esses enredos só mudam de endereço, né?

O papo ia muito bem até percebermos que o trem não ia nem para o meu lado, nem para o dele. Tivemos que sair da estação e procurar outra entrada do metrô na rua. De repente parecíamos velhos amigos andando pela rua, um zuando com a cara do outro. Apesar de ter nascido em Nova York, ele mora cada hora em um lugar e disse que toda vez que vai a cidade tem que reaprender a andar por ali. Até agora não sei se isso foi papo dele e ele não é de lá, ou se realmente é tão fácil de se perder em NY, porque mesmo não dominando o idioma e o metrô, eu é que acabei achando o trajeto que ele devia fazer para voltar para casa.

Em uma viagem sozinha, encontrar um figura desses, perdido e engraçadão, é um prato cheio. Até me esqueci que estava all-by-my-self!

mta-green-surcharge-2

Funcionária do metrô 2

Daí que mesmo não estando em Paris, minha relação com o metrô continuou desfavorável e eu fiz o favor de perder o meu bilhete no final do primeiro dia que o comprei. Só que isso já era o final da viagem, ou seja, só teria dois dias para usufruir do passe de 7 dias, que custava cerca de 30 dólares. Parabéns para mim. Cogitei só andar a pé, mas poxa, logo agora que já tinha sacado como funcionava o negócio…

Bom, lá fui eu comprar novamente o bilhete mas aí vi uma funcionária toda engraçadona na catraca e resolvi perguntar para ela se havia algum outro esquema mais favorável. Olha, só faltou me pegar no colo! Ela explicou que eu não precisava comprar outro daqueles, era só comprar um e carregar com quantas passagens eu fosse usar, foi comigo até a maquininha, me mostrou todas as opções, me arrumou um macete de não ter que colocar o Zip Code, me mostrou como eu devia carregar nas próximas vezes e ainda deu a dica do trajeto do dia.

Foi nessa hora que lembrei de Paris e, uau, quanta diferença! Lá eles só respondiam o que a gente perguntava, se muito! Em NY era o contrário: eles falavam tudo, o que a gente queria saber e o que a gente nem fazia ideia, mas precisaria saber! E ainda faziam piada, sorriam… comovente! Tudo bem que eu me senti uma criança boba e ingênua depois de tanta explicação óbvia, mas tá valendo, ela foi fofa.

Funcionária do metrô 3

Apesar de não ter sido fofinha nem meiga, essa foi a mais generosa de todas da galera do metrô: me deixou passar de graça pela catraca após perceber que eu estava completamente perdida no Brooklyn. Mas isso é uma longa história que fica para o próximo post.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s